Artigo: OKR – Transforme suas ideias em resultados

Artigo: OKR – Transforme suas ideias em resultados

* Por Miguel Rivero 

A metodologia OKR (do inglês, Objectives and Key Results), que pode ser traduzida, literalmente, como Objetivos e Resultados Chave, surgiu no Vale do Silício e tem sido utilizada por milhares de empresas em todo o mundo. O sucesso deste método baseia-se em sua eficiência: como os OKRs têm foco nos resultados, os efeitos de sua aplicação têm se mostrado mais rápidos, simples e efetivos.

Certa vez, um empreendedor americano chamado Steve Blank afirmou que nenhum plano estratégico ou plano de negócio sobrevive mais ao primeiro contato com os clientes. E, devido à velocidade com a qual as coisas têm mudado recentemente, essa afirmação tem sido cada vez mais válida, porque, a cada passo que você der em seu negócio, o cenário já será diferente. Por esse motivo, muitos planejamentos de longo prazo dificilmente podem ser implementados do início ao fim pelas empresas.

Isso não quer dizer que o planejamento estratégico não é mais viável. Pelo contrário. Essa ferramenta continua sendo fundamental para o sucesso de um negócio. Entretanto, a forma de planejar é que mudou. A estratégia como plano estático não funciona mais. E, por isso, a melhor maneira de criar um planejamento estratégico nos dias de hoje é estar atento ao dia a dia da empresa: testando, validando e prototipando ideias. É dessa maneira que as melhorias e avanços surgem.

Como surgiram os OKRs?

“Ideias são preciosas, mas relativamente fáceis. Execução é tudo”. Baseado neste pensamento, o empreendedor John Doerr desenvolveu a metodologia dos OKRs para a Intel, uma grande empresa de tecnologia do Vale do Silício. Essa nova ferramenta não tem como objetivo criar planejamentos estratégicos perfeitos, mas sim ser útil para ajudar os empreendedores a tirarem suas ideias do papel e executá-las.

Dessa forma, a Intel começou a experimentar esse novo modelo de metas de curto prazo. Para fazer com que cada colaborador tenha desafios e participe do processo, as metas são de três meses. Ou seja, em apenas três meses, as metas são definidas, acompanhadas, apuradas e o feedback é dado semanalmente. Assim, cria-se um hábito de gestão.

Como os OKRs trouxeram resultados mais consistentes e de forma mais rápida, a metodologia foi disseminada para outras startups do Vale do Silício. Aos poucos, várias empresas adotaram a metodologia e experimentaram crescimentos exponenciais.

Um exemplo disso é a Google. Em 1999, época da implantação dos OKRs, a Google contava com 40 funcionários, e hoje esse número já ultrapassa 60 mil pessoas.

Como a metodologia de OKR é simples e pouco burocrática, ela foi disseminada entre os colaboradores da Google com bastante facilidade, já que a tomada de decisão estava nas mãos de todos os funcionários, em vez de ser apenas uma tarefa dos diretores e líderes do negócio. Esse empoderamento é, certamente, um dos motivos para que a metodologia de OKR fosse tão bem-sucedida como é nos dias de hoje.

Atualmente, milhares de empresas baseiam a execução de seus planejamentos estratégicos em OKRs, independentemente do segmento em que atuam, indo desde LinkedIn, Twitter e Nubank, no segmento da tecnologia, ao Burguer King, da indústria alimentícia.

Arquitetura das metas em OKR

A aplicação completa da metodologia OKR deve envolver todos os níveis da empresa e, dessa maneira, são construídas metas para a diretoria; metas para os departamentos e, também, metas individuais para os funcionários.

Outro ponto importante é a coerência das metas: elas não podem ser aleatórias. Todas as metas precisam estar relacionadas, visando proporcionar as condições necessárias para que as pessoas trabalhem em conjunto, buscando atingir os mesmos objetivos e a visão da organização. Mas, para isso, a empresa deve ter os seus desafios muito claros e, só assim, as pessoas envolvidas compreenderão onde estão e o que é preciso fazer para alcançarem os propósitos da empresa.

Toda boa meta deve seguir a seguinte fórmula: “Eu vou (inserir o objetivo), e serei medido por (inserir as metas de resultado, ou seja, apontar os critérios quantitativos de sucesso). O objetivo deve inspirar as pessoas, enquanto os resultados-chave (key results) devem refletir os números que têm relevância para o negócio.

Como criar OKRs eficientes?

Um OKR é composto por duas partes: o objetivo, que é qualitativo, e a meta, que é quantitativa. A construção de um ótimo OKR depende, em grande parte, da definição do objetivo, pois a principal função dele é guiar as pessoas, levando-as a tomar uma ação que contribuirá para o alcance da meta traçada.

Assim, o sonho grande precisa estar explícito no objetivo da empresa e também a ambição, o desejo. Essa é a mágica para que as pessoas se sintam mais motivadas para agir. O objetivo precisa trabalhar o lado emocional das pessoas que estarão envolvidas com o OKR e, para isso, vale a pena explorar a criatividade, trabalhar com metáforas, usar adjetivos e ser informal. É preciso fazer apelos que têm relevância para os funcionários.

Certa vez, uma empresa que contava com duas áreas comerciais, uma que prospectava, e outra que fechava as as vendas de fato, definiu o seguinte objetivo para a equipe de prospecção: “vamos cansar o time de vendas”. De forma leve e engraçada, a diretoria conseguiu orientar o time de prospecção, estimulando-o a trabalhar mais e melhor e, assim, contribuir para a meta final da empresa que era aumentar o número de vendas.

Aplicando os OKRs no dia a dia

Como toda a metodologia dos OKRs está baseada na estruturação de metas de curto e médio prazo, o acompanhamento dessas metas também deve acontecer em períodos menores. O mais indicado é que as reuniões de acompanhamento e feedback aconteçam semanalmente.

Em um primeiro momento, a rotina de gestão dos OKRs pode parecer assustadora, pois os feedbacks precisam ser aplicados com mais frequência. A ideia geral que se tem é a de que as equipes “perderiam” muito tempo para acompanhar, checar, validar e alterar todas as metas, além disso aumentar os custos da operação interna.

Mas, o que muitos gestores não sabem é que os OKRs trabalham com uma lógica de modelo mental ágil. Nada pode ser muito custoso ou lento. Todo o processo de definição de metas, de acompanhamento e feedback é otimizado, já que os próprios objetivos do OKR precisam ser simples, claros e diretos.

A metodologia dos OKRs é muito interessante para empresas que desejam acelerar o seu crescimento e cumprir o seu propósito. Para se chegar a um objetivo maior, que foi definido em um plano de longo prazo, as empresas criam desafios intermediários, que são superados em etapas, assim como se a organização estivesse subindo degraus em direção ao objetivo maior.

Durante muitos anos, o Google e a Intel utilizaram os OKRs como ferramenta de planejamento estratégico quase como um segredo. Devido ao grande sucesso dessa metodologia, ela ganhou muita força e hoje pode ser vista em várias empresas, de diversos segmentos, em várias partes do mundo. Sendo assim, por que não começar a aplicar os OKRs em sua empresa também?

Artigo publicado na Revista Digital  RNC Conte (Rede Nacional de Contabilidade), Edição 8, Ano 2, Dez. 2017, Seção Planejamento, Páginas 15-17. 

* Miguel Rivero Neto, PMP, Administrador e Sócio-Diretor da VEC

 

Sem comentários.

Comente

Voce deve estar Logado para publicar um comentário.